Concentrações de cortisol salivar de idosos institucionalizados e não institucionalizados

Tânia Adas Saliba, Ana Carolina Bernardes Machado, Suzely Adas Saliba Moimaz, Nemre Adas Saliba

Texto completo:

HTML (Português (Brasil))

Resumen

Introdução: devido às limitações inerentes do processo de envelhecimento, a institucionalização é uma realidade, podendo gerar impacto na saúde física e psicológica do individuo sênior.
Objetivo: determinar as concentrações de cortisol salivar de idosos institucionalizados e não institucionalizados e verificar as condições de saúde bucal e dependência física.
Métodos:
estudo transversal, descritivo e analítico, com amostra composta por 80 indivíduos, sendo 45 institucionalizados e 35 não institucionalizados. Realizou-se exame clínico bucal para avaliação de uso e necessidade de prótese dentária nos arcos superior e inferior. Também foi realizada coleta salivar, para análise da concentração de cortisol, marcador biológico do nível de estresse.
Resultados: a maioria dos idosos apresentou-se desdentado total, sendo 84,44 % no grupo institucionalizado e 71,43 % no grupo não institucionalizado. Os idosos institucionalizados apresentaram menor índice de uso de próteses, quando comparados ao grupo de idosos não institucionalizados (p= 0,0013). A análise das concentrações de cortisol salivar demonstrou diferenças significantes entre os grupos, com taxas mais elevadas no grupo institucionalizado (p= 0,0397). Maiores concentrações de cortisol salivar foram encontradas em indivíduos que possuíam necessidades protéticas, com diferença estatisticamente significante (p= 0,0454).
Conclusão: os idosos institucionalizados apresentaram elevadas concentrações de cortisol salivar, maior necessidade de uso de próteses e apresentaram-se mais dependentes, quando comparados com o grupo não institucionalizado.

Palavras-chave: idoso; instituição de longa permanência para idosos; saúde bucal; hidrocortisona; envelhecimento.